ACONTECE A SUDOESTE

Seduzidos, zarpamos, rumo ao Sul, à boleia das correntes, calmas, de agosto, que acompanham a maré, cheia, que os “baixios” – do Norte, não conseguiram alterar.

Conquistados, entregamo-nos aos abraços, temperados, das águas, amenas, do mar, salgado, atrevido, ousado, que nos convida a “despir”, a deitar e a fruir, das carícias do sol, escaldante, que nos marca, massaja e denuncia, em flagrante, a relação, tórrida, que não podemos negar.

De julho, levamos os ventos, do Norte, que reescreveram, lembraram, e nos convidaram, outra vez, a olhar para o mar, que nos abraça, limita, contagia e acompanha, na procura de bens, riqueza e “grandeza”, de Ceuta ao Ultramar.

Distraídos, corremos riscos, sérios, de confundir – conjuntura, estrutura, orientação, objetivos e, estratégia de navegação, que mesmo os textos, bonitos – “Ó mar salgado…”, não conseguirão contrariar, interrompendo a tendência, recorrente, da arte de naufragar.

Olhamos para Norte, invocando solidariedade, integração, sentido de estado, e de união, que a conjuntura – de crise, pandémica, social e económica, aconselha a federar.

É tempo de Verão, de descanso e distração, em que importa atentar, na Europa, na recuperação e no estado, da nação, sem esquecer que somos nós, só nós, que teremos de garantir que Portugal, atlântico, nobre, comprometido e, pobre, poderá outorgar, no futuro, maior coesão, igualdade, equidade, prosperidade e razão, sem naufrágios, estruturais – recorrentes, que nos expõem à ajuda, socorro, das marés, do Norte, que a mancha – Canal da Mancha, no futuro, poderá não aproximar.

Jorge Manuel Ventura

Professor


Observação 1: Perceber, num tempo de urgência – emergência, que não conseguimos, sequer, concertar a, estruturante, sustentabilidade do SNS, com a necessária abertura de, mais, vagas para o Curso de Medicina, com as implicações que daí decorreriam – perturba.

Nota: percebo a legitimidade de quem não outorga a medida; percebo as implicações e os constrangimentos da formação, graduada e pós-graduada; percebo a inexistência de correlação, forte, da medida, com a sustentabilidade do SNS; mas percebo, concomitantemente, que mudar, estruturalmente, precisa de medidas, simples, intencionadas e concretas – como esta.

Observação 2: desconheço o futuro, designadamente, o que acontecerá, após as eleições norte-americanas, mas ouvimos, em 2017, a chanceler Angela Merkel, declarar:

“O tempo em que podíamos contar, totalmente, uns com os outros, acabou, em certa medida. Verifiquei isso nos últimos dias. E é por isso que só posso dizer que nós, europeus, temos de agarrar as rédeas do nosso próprio destino.”

Kishore Mahbubani, A queda do Ocidente? Uma provocação

Naveguemos para Sul, mas não percamos o Norte…

JMV

A Voz do Silêncio

Caminho, de mão dada com a brisa, que derruba a Primavera, numa coreografia de sombras, que me expõe a luz, intensa, próxima, íntima, do Verão que se aproxima, atraído pela beleza e luminosidade, da Terra, que se inclina e me convida, com a voz do silêncio, a percorrer os trilhos, envergonhados, da simplicidade dos tons, escarlate, da humildade.

Rendido, percorro o tapete, estendido, da liberdade, que me conduz pelos recantos, elegantes, decorados pela simplicidade da paz, recatada, dos ambientes, amenos, da natureza discreta, esquecida, desprezada, perdida.

Escuto, na voz do silêncio, a declaração, tímida, da papoila, vaidosa, que emerge, solitária, de um jardim de cascas, pinhas e, ervas, que testemunham o embaraço, rosado, da surpresa, e beleza, da natureza, discreta, esquecida, desprezada, perdida.

Caminho, na companhia da brisa, amena, que me mostra, na pobreza, toda a beleza, da natureza.

Jorge Manuel Ventura

Professor