Porquê?


Interrogo-me, quando me interpelas, no calor da despedida – por que te olho? Por que te abandono? Por que te furto o sorriso, o olhar, a expressão?
(…)
Questiono-me, quando te olham, procurando ver-me – no silêncio, acético, de um grito de dor, de saudade, de amor; por que desisto? Por que te deixo? Por que te dispo?
(…)
Pergunto-me, porque me recordo do teu olhar tranquilo, com quem dialogava – por que o dizias? Por que o pedias? Por que não mentias?
(…)
Lembro-me, das longas conversas – íntimas, autênticas, moderadas – pela solidão da noite que espreitava a luz, rasgava as portadas e, mostrava as estrelas, o brilho, o olhar – expressivo, com que comunicavas, rias, choravas.
Porquê? Por que me trouxeste? Por que não fugiste? Por que não me traíste?


Jorge Manuel Ventura
Professor

______________________________


“Cada frase que pronuncio deve entender-se não como uma afirmação, mas como uma pergunta”.
Niels Bohr, Prémio Nobel da Física – 1922

“ A verdade e a clareza são complementares”.
Niels Bohr, Prémio Nobel da Física – 1922

“ O tempo passado é finito, o tempo futuro é infinito”.
Edwin Hubble, The Observational Approach to Cosmology (1937)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s